Às 5h45 da manhã, a caminho do aeroporto, passo por um conhecido mendigo do bairro. Embrulhado em sacos de estopa deixando tecido solto nas costas numa espécie de capa, o super herói das calçadas está de pé, vigilante, chupando um picolé.