Boca aberta e babador. Um celular toca, eu e meu nada ortodoxo dentista nos olhamos, não são os nossos telefones. Ele então se lembra de que é o alarme avisando que a torta ficou pronta. Liga para casa, pede para a empregada tirar do forno e deixar esfriar coberta com o pano de prato. Volta ao meu dente.