O amor perfeito, como sugere a flor, não existe. Perfeito é o mar, o céu, o sol nascendo. O amor tem imperfeições humanas que a gente não vê e depois vê e não vê de novo, dependendo da necessidade. A imperfeição do amor é o que nos aproxima. Longe do inalcançável, o mar e o sol, o amor, porque imperfeito, é possível e generoso. Ele nos ensina que o humano é limitado e carente e precisa de uma razão para existir. Assim, demos nome à busca de nós mesmos no outro de amor. O amor é imperfeito para a gente existir.