Quando me casei pela primeira vez, eu tinha 14 anos e sabia exatamente o que estava fazendo. Posicionei o menino no altar, caminhei de volta até a porta da Catedral de Guaxupé e, com um buquê de flores colhidas na praça, fiz a entrada triunfal, passo a passo com paradinha e tudo, até encontrá-lo novamente no alto com a expressão quase tão sofrida quanto a do enorme Cristo crucificado atrás. A ordem era para que ele não se movesse até a chegada da noiva e então, que me desse o braço e me acompanhasse até a saída, com seriedade, como se os convidados, distribuídos pelos bancos da nave, estivessem nos observando. Apesar de um ano mais velho e pelo menos 30 centímetros maior do que eu, ele obedeceu sem negociar. Sabia que era assunto serio e que se seguisse à risca, talvez eu topasse brincar de briga de galo, montada nos seus ombros para derrubar um casal de primos na piscina do clube mais tarde.
Muitos anos e alguns casamentos depois, ele não achou estranho me encontrar com três filhas numa livraria em São Paulo. Disse, dando risada, que sempre desconfiou que esse era o meu plano. E que só encarou porque eu era excelente parceira na briga de galo.