Eu tinha 20, ele 40. Me deu o telefone. Liguei. Uma mulher atendeu: Bruno pai ou filho? Pensei que ele era casado e tinha filhos e estava me fazendo passar aquela vergonha. Pai, respondi, já arrependida. E veio o Bruno pai, um senhor de 70, que morava com o filho Bruno, meu amigo até hoje.