Passeando pelo parque em Nova York com Manu, a criança pragmática, passamos pelo esquilo morto em decomposição na grama. 
-Mãe, o que aconteceu com ele?
-Morreu. 
-Ái!
-Manu, é da natureza. Todo ser vivo nasce, vive e morre. Ele vai ser absorvido pela terra e virar adubo para as plantas.
-E o que mais?
-Mais nada, uai.
Algum tempo depois, me procura a mãe de uma amiguinha filipina da escola.
-Vocês têm alguma religião em casa?
-Somos católicos, mas não praticantes. Por que?
-É que a Stephanie andou muito angustiada com a idéia da morte e para tranquilizá-la nós dissemos que quando alguém morre, ele vai para o ceu, um lugar lindo, e pode inclusive levar suas coisas preferidas, bichos de pelúcia, o que quiser para brincar no paraíso. Ela, então, contou para a Manuela e ouviu uma resposta definitiva:
-Não é verdade. Quando a gente morre, desmancha na terra e acabou-se.