– Precisamos apresentar alguém para o Antonio.
– Quem é ele mesmo?
– O irmão mais velho do Henrique. Cinquenta e cinco anos, bonitão, lembra o Tom Jobim quando jovem, arquiteto, divertido, boa companhia, cozinha bem, não trabalha há anos, aliás, nunca trabalhou, vive na aba dos amigos. Ele anda deprimido, estou preocupado.
– Mas, vagabundo assim ninguém vai querer!
– O defeito dele é ser homem. Se fosse mulher, arrumava um marido amanhã.
– Não é verdade, ninguém mais quer uma mulher que não trabalha.
– Os homens da minha idade não se importam, desde que ela tenha as qualidades do Antonio.
– E essa depressão?
– Ele vai ao psiquiatra quando aparece uma grana. Se arrumar uma mulher legal que o sustente, nem vai precisar de remedio.
– Tá, vou pensar.