Rapaz da farmácia, gari e dono da banca de jornal onde dividem um bolo que a mulher dele mandou de lanche.
Coroa da banca assopra afastando as migalhas de cima da minha Piauí, pergunta se eu quero pegar uma mais limpa e segue:
– O ano está tranquilo. Tirando esses lances de quebra-quebra por conta de promessas não cumpridas pelo prefeito, onibus queimado e tal, e de confrontos com os PMs lá em cima, estou, no meu caso, mais sossegado do que pai de menina feia.