Tudo já foi escrito, de todas as formas, usaram-se todas as palavras, deram ordens parecidas a elas, ou as desordenaram, montaram-se frases invertidas, conjugaram-se os verbos nos seus tempos possíveis, pontuaram tudo igual. Todas as histórias foram contadas, todos os efeitos literários, os truques esgotados, a verdade esgotada, a mentira esgotada, nenhum novo personagem, nenhuma biografia original. Tudo já foi descrito, as sensações, as lembranças, as infâncias, as adolescências, as velhices, as mortes, todos os romances foram inventados, rememorados, os sinônimos, o contrário deles, usados, gastos, os prazeres necessários repetidos, os reais, os imaginários, fantasias, as mesmas, paixões rimadas em verso, estendidas em prosa, todo o abecedário, em todas as línguas, os crimes em versões diferentes, o riso dramático desde Dostoiévski, desde Shakespeare, as tragédias, as grandes e as pequenas, no momento, em suas consequências, relatadas e sofridas ou nada. Fim.